TRABALHO INFANTIL

Estamos no ano Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil. O ano foi aprovado durante a Assembleia Geral da ONU, em 2019, por unanimidade, com objetivo de ações legislativas e práticas para erradicar o trabalho infantil em todo o mundo.O trabalho infantil é reconhecido como uma das formas de exploração mais prejudiciais ao desenvolvimento pleno do ser humano. Seus efeitos deixam marcas que, muitas vezes, tornam-se irreversíveis e perduram até a vida adulta.
Um assunto sério, mas que nem sempre é enxergado pela população. No campo social, o cenário é assustador, acentuando desigualdades e criando cada vez mais proximidade com outros tipos de exploração. A ocupação ilegal, tira oportunidade de lazer e estudo, deixando vítimas com sequelas que podem refletir por toda vida. 
Dados registram mais de 18 mil pessoas nesta circunstância, no Distrito Federal.  Cerca de 2,4 milhões de crianças e adolescentes, de cinco a 17 anos, estão em situação de trabalho infantil no Brasil.  
Em linha com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030, abrimos nossas ações em 26 de maio, com laboratório de estudo, oferecendo espaço de debate e trocas, seguido de roda de conversa online com a Assistente Social Tatiana Messina N. Ferreira, profissional que atuou no PETI – Programa de erradicação ao Trabalho Infantil em Pirassununga por mais de oito anos, capacitada e com experiência, reciclou conhecimentos, indicou caminhos e orientou a equipe com estratégias de prevenção e enfrentamento do Trabalho Infantil. 
Em 31/05, iniciamos os debates nas rodas de convivência, através das oficinas, de forma qualificada, garantindo às crianças e adolescentes, acesso a informação. Nos dias 01, 08 e 11 de junho recebemos na Sede da AMMA a Assistente Social Fernanda Aguiar – CREAS/PETI – Pirassununga, conduzindo oficinas com metodologia adaptada à realidade dos usuários, aprofundou assuntos, fazendo-os refletirem sobre as consequências do trabalho infantil, vindo em contrapartida, reforçando as ações da equipe de educadores e técnica da OSC. A conjuntura atual exige da Rede de Proteção à criança e ao adolescente, o exercício de cada vez mais trabalhar de forma coletiva e articulada.
Em 08/06, recebemos capacitação através da Rede Peteca, onde o procurador do Trabalho Infantil Antonio Oliveira Lima,  dialogou sobre a situação do Brasil, trazendo dados e reflexões sobre Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil.
No dia 10/06 realizamos na Praça Central de Pirassununga mobilização, onde toda equipe da AMMA, se uniu na luta e com os motores mais que aquecidos para o dia 12 de junho buscou conscientizar a população a usarem os canais de Denúncia, que contribui para a fiscalização e ação dos órgãos públicos e lembrar que crianças e adolescentes são prioridade absoluta.O material entregue na panfletagem foi pintado à mão por nossas crianças e adolescentes, que já estão cientes do prejuízo que o trabalho infantil pode causar.
Durante todo o percurso utilizamos material dialógico, estratégias lúdicas através de jogos, brincadeiras, contações de histórias, jogos leituras e vídeos, dando espaço para que as crianças e adolescentes expressassem conhecimentos e opiniões. 
Na identificação de situações violadoras e ou com famílias onde já foram confirmadas situações, a equipe técnica do serviço, atuou de forma proximal junto aos responsáveis na tentativa de conscientizá-los. 
Os vídeos produzidos no Estúdio Audiovisual da OSC foram publicados em rede social à partir de 31 de maio, com término em 12 de junho, acompanhados de materiais visuais  que refletem na sensibilização social, mobilizando a sociedade para o engajamento contra a violação dos direito, com foco na garantia de direitos, para que crianças e adolescentes tenham o direito ao seu desenvolvimento de forma segura e protegida. 

​O mês de junho  não é o único mês que trabalhamos com a temática de conscientização para o problema social grave, que é o TRABALHO INFANTIL.  as ações são contínuas, conforme prevê o planejamento anual da OSC.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *